“Investimentos – Rebalanceamento do Ibovespa: quais empresas devem entrar no índice?”

Por: Cristina Cardoso

Regularmente, a B3 faz uma reavaliação das ações que compõem a carteira do Ibovespa. A revisão serve para verificar se os ativos atendem aos critérios que os tornem parte do índice que representa as ações mais negociadas na Bolsa brasileira. Esse rebalanceamento ocorre a cada quatro meses: em janeiro, maio e setembro.

A B3 publicará uma prévia da segunda mudança do ano no dia 1º de abril. E no dia 3 de maio ocorrerão as entradas e saídas do índice Ibovespa oficialmente.

Atualmente, a carteira do Ibovespa tem 82 ações.

Os critérios de seleção para fazer parte do Ibovespa são:

  1. Serem ativos negociados com regularidade: estar entre os ativos elegíveis que, no período de vigência das três carteiras anteriores, em ordem decrescente de Índice de Negociabilidade (IN), representem em conjunto 85% do total desses indicadores. Além disso, deverão ter sido negociados em 95% dos pregões durante o mesmo período;
  2. Tenham um volume financeiro relevante: participação de pelo menos 0,1% do volume negociado durante o período de vigência das três carteiras anteriores;
  3. Não serem penny stocks, que são ações negociadas a valores menores do que R$1,00.

Quais empresas podem entrar ou sair do Ibovespa no próximo rebalanceamento?

Fizemos um estudo para prever quais ações deverão entrar ou sair do índice nessa próxima revisão. Levando em conta o histórico de volume, número de ações negociadas e número de negociações dos ativos na Bolsa, projetamos que a B3 poderá fazer as seguintes mudanças:

Entradas no Ibovespa

Como é o comportamento das ações que são adicionadas ou removidas do Ibovespa?

Há algumas dinâmicas que explicam o movimento nos preços das ações que são incluídas ou removidas do Ibovespa.

Ações incluídas no índice são alvo de compra por parte dos fundos, o que aumenta as negociações destes papéis ao redor da data de anúncio e do rebalanceamento, podendo causar aumento de preço temporário.

Além disso, os fundos passivos e ETFs, aqueles que buscam replicar o retorno do índice, passam a comprar os ativos adicionados ao Ibovespa. Com essa maior demanda, o preço das ações tende a subir com o tempo.

Por último, a inclusão no índice do Ibovespa pode levar a um maior interesse por parte de investidores, que irão examinar as empresas com um mais empenho, levando ao aumento de informação pública. Com isso, a liquidez tende a crescer, diminuindo os custos de capital e, consequentemente, o preço da ação deve aumentar.

Olhando as entradas e saídas do Ibovespa nos últimos cinco anos, período em que foram adicionados 34 nomes ao índice, e três removidos, verificamos que:

  • As ações incluídas no índice valorizaram, na média, +10,4% nos 30 dias anteriores ao rebalanceamento;
  • Logo após a inclusão no índice, a média dos preços das ações tendeu a cair ou a andar de lado. Porém, elas subiram +6,7% nos primeiros seis meses e mais de +25% depois de um ano;
  • Os ativos removidos sofreram, na média, uma queda de -20,7% um mês antes do rebalanceamento. Por outro lado, os preços dessas ações recuperaram rapidamente as perdas e observaram ganhos significativos depois.
Fonte: B3: Bloomberg, XP Investimentos

É importante frisar que isso não significa que as empresas mais cotadas para entrar ou sair do índice terão, necessariamente, os mesmos desempenhos citados acima, que são apenas ilustrações do que aconteceu no passado.

Na verdade, o movimento de cada uma das ações que analisamos foi bem variado. Os preços podem ter sido puxados para cima ou para baixo por fatores específicos da empresa. E o cenário econômico ao redor dos anúncios também afeta o desempenho de cada ação, com os preços subindo junto com o índice em momentos positivos ou crises podendo derrubar os valores de todos os ativos na Bolsa.

Adicionalmente, a B3 incluiu um número muito maior de nomes no Ibovespa (34) do que removeu (3) desde 2015. Dessa maneira, reconhecemos que a análise do desempenho das ações que saíram do índice nesse período pode ser pouco representativa.

Ainda assim, os anúncios de entrada e saída do Ibovespa são eventos que devem ficar no radar dos investidores. 

Como encontramos os possíveis candidatos?
Para estimar quais ações devem entrar ou sair do índice no próximo rebalanceamento, utilizamos as estatísticas históricas do volume, número de ações negociadas e número de negociações de cada ação da bolsa para simular 10.000 cenários futuros diferentes. Essas simulações representam as inúmeras formas de como cada ação pode se comportar até a data da atualização da carteira. Para cada um desses cenários, replicamos a metodologia proposta pela B3 para encontrar quais ações entrariam ou sairiam do índice.Conteúdo retirado do site da XPI.

There are no comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Start typing and press Enter to search

Shopping Cart